ALGUNS TENTARAM DIVULGAR A VERDADE E FORAM SILENCIADOS.NÓS CHEGAMOS DISPOSTOS A DENUNCIAR, SEM MEDO,O NEPOTISMO,O TRÁFICO DE INFLUÊNCIAS, O MERCENARISMO E O TERRORISMO CORRUPTO QUE A COMUNICAÇÃO SOCIAL, EM ESPECIAL A DESPORTIVA, NÃO TEM A CORAGEM DE ASSUMIR.

DIVULGA www.pulpuscorruptus.blogspot.com EM PROL DA VERDADE E COMBATE À CORRUPÇÃO!

E-Mail: pulpuscorruptus69@gmail.com

quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

"A Escumalha Estrabucha E Nós Tratamos Dela" A MÁFIA DA PALERMO PORTUGUESA (205)


Este Porto é como qualquer outra infecção – incha, desincha e depois passa, e o que vier a seguir estará muito mais próximo daquilo que o Porto realmente é.”
(No blogue “Religiaonacional”)

Furúnculo é uma doença de pele resultando numa acumulação localizada de pus e tecido morto. A uma "rede" interconectada de furúnculos chama-se Carbúnculo.
Parafraseando o Príncipe Carlos de Inglaterra, comentando a construção de um grande anexo à National Gallery de Londres:

“O FCP é um carbúnculo gigantesco na face de um muito querido e velho país”.

Os jovens a caminho da idade adulta sofrem uma mutação hormonal que lhes cria vários problemas que se manifestam na pele e na face. Esses problemas podem ser vistos na forma de “espinhas” ou de “furúnculos”.

A jovem República Portuguesa, na passagem de ditadura para democracia sofreu várias vicissitudes, tendo-lhe sido diagnosticada vários furúnculos. Uns cresceram e passaram a carbúnculos, outros sararam.

Um dos maiores, senão mesmo o maior, furúnculos nacionais surgidos na parte final do século XX, que se transformou em carbúnculo e dá pelo nome de FCP, tem localização bem definida na cidade do Porto. 
A democracia portuguesa a caminho do estádio de maturidade tenta curar as dores de crescimento provocadas por exageros hormonais.

Marco Ferreira
Marco Ferreira ficou em último lugar nas classificações dos árbitros esta temporada e, consequência disso, foi despromovido à segunda categoria. Isto, menos de um mês depois de ter sido o árbitro nomeado para a final da Taça de Portugal, entre o Sporting e o SC Braga.

Segundo o Record, o facto de ter quatro jogos com nota muito negativa foi a razão pela qual Marco Ferreira ficou nos últimos lugares na classificação dos árbitros. Mas não fica por aqui o problema do árbitro. Nesta altura há em curso um processo disciplinar instaurado pela Secção de Classificações do Conselho de Arbitragem da Federação Portuguesa de Futebol por causa do jogo entre o Vitória de Setúbal e o FC Porto, referente à 31.ª jornada da Liga.

Numa partida em que Marco Ferreira optou por não considerar grande penalidade uma mão na bola de Alex Sandro aos 45 minutos, o juiz madeirense terá ouvido posteriormente no balneário o observador José Rufino a tirar dúvidas sobre o referido lance ao telefone. Ora, segundo o regulamento, os observadores apenas podem recorrer ao vídeo para tirar dúvidas e por isso o árbitro não terá mantido a calma e alegadamente tentou entrar na sala para confrontar o observador sobre o lance em causa e a forma ilegal como estava a tentar dissipar as dúvidas. No relatório, José Rufino acusou Marco Ferreira de conduta imprópria e atribuiu-lhe uma nota negativa de 2,5.

Nesta altura, o processo ainda não está concluído. Marco Ferreira, caso do parecer não lhe ser favorável, a sentença poderá ser a despromoção, situação que nesta altura já enfrenta devido à má classificação na época.

Acórdãos da Relação do Porto
Uma onda de indignação varre o país após ser conhecido um acórdão do Tribunal da Relação do Porto – Neto de Moura relator do processo, Maria Luis Arantes a assinar – que fundamenta a manutenção de pena suspensa a marido agressor que, com moca cravejada de pregos, agrediu a mulher sob o pretexto de esta o trair, circunstância que, para o tribunal, que invoca citações bíblicas e o Còdigo Penal de 1886, justificou o comportamento do condenado, “ofendido na honra”.

A argumentação recorda que “sociedades há em que a muilher adúltera é apedrejada até à morte”, a advogada da vítima pondera recorrer para o supremo. “Forma de pensar retrógada e machista”, reagiu Elizabeth do Brasil, da UMAR. O Conselho Superior da Magistratura emitiu nota a focar o “arcaico” da argumentação mas sem menção a ir agir no caso, enquanto outros acórdãos – de um caso de um psiquiatra que a Relação absolveu após violar uma paciente no consultóario e de um funcionário alcoolizado que a empresa teve de readmitir (“alegre é mais produtivo”), vieram agora a lume.

O juiz desembargador Neto de Moura, que ‘desculpou’ os atos de violência doméstica de um homem de Felgueiras devido à traição da mulher, tinha já num outro acórdão lançado fortes críticas à vítima, por também ela ter cometido adultério, e decidiu absolver o arguido. Esta decisão do Tribunal da Relação do Porto foi publicada na internet e remonta a 15 de junho de 2016.

"Uma mulher que comete adultério é uma pessoa falsa, hipócrita, desonesta, desleal, fútil, imoral. Enfim, carece de probidade moral. Não surpreende que recorra ao embuste, à farsa, à mentira para esconder a sua deslealdade e isso pode passar pela imputação ao marido ou ao companheiro de maus-tratos. Que pensar da mulher que troca mensagens com o amante e lhe diz que quer ir jantar só com ele ‘para no fim me dares a ‘subremesa’?, diz o acórdão, realçando que, enquanto isto, ficava o marido a tomar conta dos filhos do casal.

O caso ocorreu em 2014, em Vale de Cambra, após a separação do casal, tendo o arguido sido condenado em primeira instância a 2 anos e 4 meses de pena suspensa por violência doméstica e a pagar 2500 euros. Ficou provado que insultou várias vezes a companheira e divulgou fotos dela de teor sexual. A Relação não credibilizou o depoimento da mulher e absolveu o arguido.
 

"Anormal mesmo é não haver discussões na vida de um casal (...) e nem sequer se pode dizer que as injúrias sejam proferidas, só, pelo homem. Aliás, a denunciante não é de se ficar, de ouvir e calar e admitiu que também insultava o companheiro", lê-se.

O Código Penal de 1886 previa apenas uma pena de multa para um homem que matasse uma mulher adúltera. Esta anterior lei é mesmo mencionada pelo juiz no acórdão de Felgueiras.

PORMENORES
Morte justificada
O Código Penal de 1886 previa apenas uma pena de multa para um homem que matasse uma mulher adúltera. Esta anterior lei é mesmo mencionada pelo juiz no acórdão de Felgueiras.
A Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV) considerou hoje que o acórdão judicial que minimiza a violência doméstica contra uma mulher, alicerçado em censura moral, é "iníquo e perigoso" porque legitima atos violentos. 
"A fundamentação subjacente a esta decisão judicial, para além de iníqua, é perigosa, na medida em que, ao manifestar compreensão perante atos violentos tão graves, legitima de algum modo comportamentos futuros de idêntica natureza", referiu a APAV, num comunicado enviado à Lusa. 
A APAV frisou que esta decisão é um "fator de risco" que não pode ser subestimado porque não se trata da mera opinião de um cidadão, manifestada num círculo de amigos ou nas redes sociais, mas trata-se do exercício da função jurisdicional por um órgão de soberania do Estado, o que reveste esta situação de "extrema gravidade".
Condenando "veemente" a decisão do Tribunal da Relação do Porto, a APAV considerou que esta reflete um "total desfasamento face à realidade atual e face a uma sociedade que é felizmente muito menos tolerante a atos de violência".
"O mesmo Estado que, nos últimos anos tem, e bem, investido fortemente na prevenção e combate à violência doméstica, através da adoção de legislação, políticas públicas e práticas cada vez mais promotoras dos direitos das vítimas e menos transigentes perante estas formas de violência, não pode, nem deve, dar ao mesmo tempo sinais contrários, no sentido da minimização e desculpabilização face a este flagelo", sustentou.

A associação entendeu que recorrer à Bíblia ou ao Código Penal de 1886 para fundamentar a ideia de que o adultério é fortemente censurado pela comunidade e que, consequentemente, esta vê com alguma compreensão a violência exercida pelo homem sobre a mulher, é "fazer tábua rasa não só da evolução social verificada em Portugal nos últimos 40 anos, mas também da trajetória efetuada pelo direito penal português, no sentido de se despir ao máximo de considerações e conceitos de natureza moral, difíceis de operacionalizar porque amplamente subjetivos".

O juiz desembargador deste processo é reincidente na utilização deste tipo de fundamentação, o que o torna "manifestamente incapaz" de julgar casos desta natureza, denunciou. 

7.8.2010
José Pratas
Foi finalmente esclarecida uma situação antiga e que demorou 18-anos-18 a ser explicada pelo seu protagonista, um outro árbitro, José Pratas, a quem coube dirigir em 1992 uma final da Supertaça entre o Benfica e o FC Porto, em Coimbra.

O público nas bancadas e os espectadores que seguiram o jogo pela televisão ficaram com a ideia de que José Pratas foi perseguido ao longo do campo pela equipa do FC Porto depois de ter validado um golo ao Benfica, apontado por Isaías.

Foi-nos explicado, há 18 anos, que a cena não passara de uma ilusão de óptica. Pratas nunca na vida andara a fugir da equipa do FC Porto e, por essa razão, não havia que advertir disciplinarmente nem expulsar ninguém. (ahahahahaah!)

José Pratas demorou, demorou mas veio, por fim, esclarecer-nos a todos. “Não foi uma fuga, foi uma reacção natural de quem se sente atacado e ameaçado. Devia ter acabado com o jogo por insubordinação da equipa do FC Porto”, disse a “A Bola” nesta quinta-feira. É capaz de ter razão. E o Benfica, se calhar, devia ter mais uma Supertaça no seu palmarés. 

Os lambuças
O que hoje aqui vos trago são mais uns factos que não vão ser desmentidos. Bruno Miguel, agora com Joana de Carvalho como número dois do Clube, fazem do mesmo uma quintinha dos próprios. Esqueçam o vídeo ridículo e absurdo...
A nova número dois do Clube já pouco ou nada fazia no Clube há vários meses. Já nem sequer dava à sua antiga chefia qualquer justificação para as ausências. A nova número dois e nova directora ninguém sabe do quê, para além de ter levado as suas duas amigas para o Clube, aparece nas instalações do Clube uma vez por semana. Poderá estar em serviço a escolher o enxoval do seu novo rebento. O "boss" deixa. Mas Joana de Carvalho e Bruno Miguel perderam totalmente a vergonha. O Sporting está transformado numa nova "Santa Casa dos Lambuças". É tudo à grande e à papalvo.
O Sporting continua a espremer os seus associados com preços altos dos bilhetes.
Joana de Carvalho teve direito a 90 convites para distribuir pelos seus amigos. Se isto não é pior que no tempo dos Lambuças, é o quê ? 
Mas o quizz, versando o almoço, não diz respeito às razões do atraso.

Cá vai.

Será verdade que a "directora de uma coisa que não se sabe bem o quê" e sua amada esposa o acompanhou?

Sendo "directora de uma coisa que não se sabe bem o quê",  e esticando o conceito esposa do presidente, não seria algo completamente inusitado, mas:
Será que a "directora de uma coisa que não se sabe bem o quê" se apresentou num acto profissional e institucional de fato de treino e ténis? (quanto se gozava, quando ainda podiamos, com os "fátetrêne" dos outros...).
E será que perante isto a comitiva do Barça ameaçou abandonar o restaurante?
E será que, tendo acedido a permanecer, ainda tiveram que ouvir o discurso final de Azevedo de Carvalho em que nada mais brilhante se lembra de afirmar que o Sporting e o Barcelona teriam muito em comum, desde logo o facto da nada terem ganho na época que passou?
Já sei! Isso não me interessa nada desde que se ganhe...Sejam felizes. E se fosse apenas e só para ganhar, a qualquer custo, seguramente não seria Sportinguista.

Processos Contra os Corruptos

O Benfica/SAD alega que foram os sucessos desportivos do clube, e a cobiça dos milhões de euros das competições internacionais, que levaram o Porto/SAD a congeminar uma "vingança". Segundo esta tese, expressa de forma mais ou menos directa em duas queixas-crime a que a SÁBADO teve acesso, o clube liderado por Jorge Pinto da Costa estava acossado por uma crise interna e à beira da insolvência e, por isso, delineou uma "torpe estratégia" e um "maquiavélico plano" sobre a existência de um "polvo, com vários tentáculos". Um polvo que actuaria de forma "clandestina" e "criminógena" para conseguir "múltiplos e relevantes interesses."

Estes qualificativos e as citações constam especificamente de uma das queixas-crime que o Benfica/SAD remeteu este ano para o Departamento de Investigação e Acção Penal (DIAP) de Lisboa, o órgão do Ministério Público (MP) que está a investigar o já célebre caso dos emails do Benfica que levaram recentemente a Polícia Judiciária a fazer buscas ao clube da Luz e às residências do presidente Luís Filipe Vieira e do administrador Paulo Gonçalves.

No longo documento de mais de 100 páginas, o Benfica argumenta que os denunciados – a SAD do Porto, o respectivo presidente, vários administradores e alguns funcionários com Francisco J. Marques, bem como o Porto Canal – não respeitaram sequer a própria história do clube do norte. Além disso, o Benfica acusa também todos estes responsáveis de terem "tiques próprios de quem tem fraca verticalidade", já que terão tentado "arrastar tudo e todos para o seu lamaçal".

Assim, a queixa-crime é apresentada pelo Benfica como a reacção adequada – o clube chama-lhe a "força da Verdade e da Justiça" – que irá também assegurar as "responsabilidades pelos prejuízos" causados. Prejuízos esses que o Benfica diz que ainda não estão apurados, apesar de o clube reiterar que foi "enxovalhado", que houve sócios a quererem desvincular-se do clube e que ficaram em risco patrocínios e outras transacções comerciais, inclusive referentes às acções cotadas na Bolsa de Valores Mobiliários.

Descontando a linguagem expressiva da queixa-crime subscrita por João Correia e três outros advogados do escritório CSA, um facto parece evidente: até hoje, o MP não aceitou aquela que é uma das principais exigências do Benfica que consta na denúncia – a realização de buscas ao Porto/SAD, ao Porto Canal e às residências de Pinto da Costa, dos administradores Adelino Caldeira, Fernando Gomes, Reinaldo Teles, José Amorim Coelho e Rui Vieira de Sá e ainda a Francisco J. Marques.

Mas a posição do Benfica deixa pouca margem para dúvidas: além das buscas, o clube quer também que sejam apreendidos todos os materiais (informáticos ou não) na posse de elementos do Porto e que estejam relacionados com a invasão do sistema informático do clube da Luz. "É grave, muito grave! Tal comportamento não pode ficar impune, não se enquadrando nas ligeirezas e aleivosias que, amiúde, se desculpam (erradamente) às ‘gentes do futebol’ e, muito menos, na liberdade de expressão! São absolutamente falsas e fortemente ofensivas!", critica o Benfica no documento referindo-se à divulgação dos emails feita através do Porto Canal.

Para o Benfica, nem sequer interessa se existem ou não os referidos emails – alguns deles relatam situações sobre ofertas de bilhetes (o professor universitário Miguel Lucas Pires renunciou ao cargo de árbitro no Tribunal Arbitral de Lisboa, depois de a SÁBADO revelar na passada quinta-feira, dia 9, um email que dava conta de um pedido de cinco bilhetes feito ao Benfica), bem como relações perigosas com o mundo da arbitragem. Para o clube, o que realmente conta é que terão sido praticados crimes no acesso e na divulgação desta correspondência privada.

"Não se trata aqui (nem, tão-pouco, releva), na presente queixa, a questão de saber se a existência ou o conteúdo dos referidos emails são verídicos, mas antes denunciar a falsidade dos factos imputados aos denunciantes (Benfica/SAD) a (des)pretexto desses emails e as consequências danosas daí advenientes". Ou seja, o Benfica reitera na queixa enviada ao MP não ter estado envolvido em esquemas de corrupção, no controlo das arbitragens e na violação e vigilância da correspondência pessoal de outros dirigentes desportivos, como o presidente da Federação Portuguesa de Futebol.
"Não fosse a gravidade das imputações e dos prejuízos que as mesmas (divulgações de emails) causam, diríamos que está descoberta a veia criativa e, quiçá, um futuro promissor" dos denunciados na "7ª arte". Portanto, segundo a queixa-crime, tudo não passa simplesmente de filmes.

Na segunda queixa-crime, com origem no escritório Abreu Advogados e dirigida apenas à Porto Canal e a Francisco J. Marques, o Benfica/SAD defende que os emails são "prova proibida" por terem sido obtidos através da prática de um crime. "(…) os conteúdos arquivados no sistema informático da denunciante são propriedade desta, encontrando-se protegidos por obrigações de confidencialidade impostas aos seus colaboradores e pela confidencialidade assegurada à correspondência, às comunicações electrónicas e aos dados pessoais, em termos gerais", salienta o documento a que a SÁBADO acedeu.

Nas duas queixas-crime, o Benfica/SAD alega a prática de dois tipos de crime: a violação de correspondência e de telecomunicações e a ofensa a pessoa colectiva. No primeiro caso, trata-se de um crime que tem uma pena de prisão até um ano ou multa até 240 dias. Como o alegado crime terá sido praticado através da comunicação social, o Benfica alega que o delito é do tipo agravado, ou seja, a pena sobe até um ano e quatro meses e multa de 13 a 320 dias. Já o crime de ofensa de pessoa colectiva é punido com pena de prisão até dois anos ou com pena de multa não inferior a 120 dias.

Costa A Guiar o Linhas Brancas
Na data foi publicado aqui nesta mesma pagina a situação de Bruno Cesar, apenas vamos recordar para juntar ao processo de Tanaka

Bruno César assina pelo Estoril a 3 de Agosto. Dia 13 de Novembro revoga o contrato sem contrapartidas nenhumas ao Estoril. Dia 13 de Novembro assina contrato com o Sporting. 

No dia 14 de Novembro, sim, disse bem, dia 14 de Novembro a Sporting SAD assina um contrato com a Costa Aguiar, Sports, Unipessoal, Lda. onde se diz que:
«A PRIMEIRA OUTORGANTE (leia-se Sporting SAD) celebrou no mês dia 13 de Novembro de 2015 o referido contrato de trabalho desportivo, em condições extremamente vantajosas, nomeada mas não exclusivamente pela ausência de qualquer pagamento ao clube ao qual o atleta se encontra contratualmente ligado, circunstância que decorreu do contributo decisivo do SEGUNDO OUTORGANTE (leia-se Costa Aguiar, Sports, Unip., Lda.).»

«O SEGUNDO OUTORGANTE obriga-se a registar-se como Intermediário na Federação Portuguesa de Futebol, suportando os respectivos encargos.» 

Depois termina assim o contrato com Costa Aguiar:
«É celebrado o presente contrato de prestação de serviços nos termos e condições seguintes: 
1. A PRIMEIRA OUTORGANTE contratou os serviços do SEGUNDO OUTORGANTE para a representar na negociação do contrato de trabalho desportivo a celebrar com o JOGADOR, com vigência até, 30.06.2O2O. 
2. O presente contrato teve o seu início no dia 13 de Novembro de 2015 e termina na data do registo do contrato de
trabalho desportivo do Jogador junto da Federação Portuguesa de Futebol. 
3. Em contrapartida dos serviços prestados e pelo registo do contrato de trabalho desportivo celebrado com o JOGADOR, a PRIMEIRA OUTORGANTE obriga-se a pagar ao SEGUNDO OUTORGANTE, com a assinatura do contrato de trabalho desportivo do JOGADOR, dependendo da efectiva vigência do mesmo, o montante de € 1.300.000,00 (um milhão e trezentos mil euros), acrescido de IVA à taxa legal em vigor e mediante o envio prévio da respectiva factura.

4. A validade do presente contrato está cumulativamente sujeita à aceitação por parte do JOGADOR dos termos e condições do Contrato de Trabalho Desportivo a celebrar com a SPORTING SAD, à realização e aprovação nos exames médicos do atleta, e ao registo efectivo junto da Liga Portuguesa de Futebol Profissional e da Federação Portuguesa de Futebol.O presente contrato é feito em Lisboa, em 14 de Novembro de 2015, em quadruplicado, ficando um exemplar para cada parte, um exemplar é destinado à Federação Portuguesa de Futebol e o outro exemplar é destinado à Liga Portuguesa de Futebol Profissional.»

Vamos ver se entendo, dia 14 de Novembro e um dia depois de ter assinado com Bruno César, o Sporting assina um contrato com um intermediário para se fazer representar junto do jogador quando este já havia assinado um dia antes, este contrato tem um início anterior à sua assinatura (alguém que me esclareça se isto é possível) e só também é válido mediante a aceitação do jogador das condições do Sporting, coisa que também já tinha feito um dia antes, ou seja, esta condição estar lá ou não estar é a mesma coisa.
Tudo isto que ali está já se tinha verificado e Costa Aguiar certamente também já teria recebido, uma vez que diz que os 1.3M estão a pagamento aquando da assinatura do contrato com o jogador. Desculpem ter sido extenso, mas que isto cheira mal... cheira.

Cátio Baldé Enganado
Cátio Baldé, empresário de Rúben Semedo, diz que foi burlado no negócio que levou o seu cliente do Sporting para o Villarreal. A situação chegou a um ponto tal que a polícia teve mesmo de intervir para acalmar os ânimos de uma reunião entre Baldé e o empresário espanhol Jose Fouto.
Segundo avança o jornal Correio da Manhã, os dois empresários reuniram-se no hotel Radisson, junto ao Estádio José Alvalade e o empresário do central português perdeu a calma quando soube que a comissão de 1,4 milhões de euros paga pelos 'leões' foi dividida entre o "agente espanhol e pessoas do Sporting".

A polícia teve de ser chamada para intervir e os dois empresários acabaram por ser identificados. Cátio Baldé mostrou-se revoltado por ter ficado de fora da comissão paga pelo Sporting, que era completamente desconhecida para o empresário.
"Fouto disse-me que omitiu a comissão de 1,4 milhões de euros [10 por cento do negócio] porque tinha um acordo com o presidente do Sporting [Bruno de Carvalho]. E que já tinha dividido a primeira tranche de 700 mil euros, que foi paga em setembro", revelou o empresário.

O agente revelou à publicação que irá recorrer aos tribunais para que se impeça o pagamento da segunda tranche, pois considera ter sido burlado neste negóico.
"Durante a discussão, Fouto disse-me até que o milhão de euros que eu prescindi da transferência do Bruma para o Galatasaray a favor do Sporting também tinha sido pago e dividido com Bruno de Carvalho", explicou Cátio Baldé.
Recorde-se que Rúben Semedo trocou o Sporting pelo Villarreal esta temporada, a troco de 14 milhões de euros.

segunda-feira, 20 de novembro de 2017

(Suinos, Lagrtos & Cia.) A MÁFIA DA PALERMO PORTUGUESA (204)


Este Porto é como qualquer outra infecção – incha, desincha e depois passa, e o que vier a seguir estará muito mais próximo daquilo que o Porto realmente é.”
(No blogue “Religiaonacional”)
Furúnculo é uma doença de pele resultando numa acumulação localizada de pus e tecido morto. A uma "rede" interconectada de furúnculos chama-se Carbúnculo.
Parafraseando o Príncipe Carlos de Inglaterra, comentando a construção de um grande anexo à National Gallery de Londres,

“O FCP é um carbúnculo gigantesco na face de um muito querido e velho país”.

Os jovens a caminho da idade adulta sofrem uma mutação hormonal que lhes cria vários problemas que se manifestam na pele e na face. Esses problemas podem ser vistos na forma de “espinhas” ou de “furúnculos”.

A República Portuguesa, na passagem de ditadura para democracia sofreu várias vicissitudes, tendo-lhe sido diagnosticada vários furúnculos. Uns cresceram e passaram a carbúnculos, outros sararam.

Um dos maiores, senão mesmo o maior, furúnculos nacionais surgidos na parte final do século XX, que se transformou em carbúnculo e dá pelo nome de FCP, tem localização bem definida na cidade do Porto. 

A democracia portuguesa a caminho do estádio de maturidade tenta curar as dores de crescimento provocadas por exageros hormonais.

Os Talibans e os Anti Benfica
“O objetivo comum de Sporting e FC Porto é reformular o futebol português e promover a transparência e a verdade desportiva" - destacam-se os seguintes:

Provocar instabilidade interna no Benfica;

Causar danos à reputação do Benfica em termos nacionais e internacionais;

Enfraquecer o Benfica em termos de patrocinadores;

Promover uma narrativa que desvalorize o mérito das conquistas do Benfica associando-as a jogos de bastidores;

Marcar a agenda dos programas de comentário desportivo e controlar o desenrolar dos mesmos através da superioridade numérica;

Repartir de forma coordenada os ataques ao Benfica e outras instituições, assim como as reações subsequentes a esses mesmos ataques;

Utilizar os órgãos de comunicação social e jornalistas “amigos” para fazer eco e prolongar no tempo os ataques lançados;

Sistematizar as ações de coação sobre a arbitragem, a justiça, a disciplina, os dirigentes desportivos e inclusive sobre os outros clubes.

Todos estes objetivos têm sido postos em prática ao longo dos últimos meses fazendo com que o futebol português atinga um nível de belicismo nunca antes observado. Ambos os clubes, através dos seus diretores de comunicação e outros agentes propagadores de ruído, mantêm uma agenda mediática contínua que em nada se coaduna com o teor do comunicado conjunto que emitiram.

Gostaria que assim não fosse, mas a estratégia tem dado os seus frutos:

Pressente-se a instabilidade dentro do clube. Aquela máxima de deixar os cães ladrar enquanto a caravana passa, que tão bom fruto deu, parece posta em causa.

A imagem do Benfica vai-se degastando e esperemos que esse desgaste não se reflita nas gerações futuras.

A pressão sobre arbitragens, justiça e disciplina tem dado os seus frutos. Em caso de dúvida os árbitros beneficiam a santa aliança, pois não querem passar o resto da semana sob os holofotes. A justiça castiga Samaris, com vários casos similares a passarem em claro. A federação apenas vem dar satisfações quando o vídeo-arbitro fez justiça no jogo do Benfica com o Portimonense e poderia continuar com muitos outros exemplos.

Os responsáveis, quer técnicos quer dirigentes, de outros clubes têm declarações pré e pós jogo com o Benfica que não se comparam com a subserviência prestada à santa aliança. O vídeo apresentado pelo treinador adjunto do Portimonense é um bom exemplo disso.
Com tantas acusações de manobras de bastidores, os adeptos do Benfica parecem sentir-se inibidos no que diz respeito às queixas de arbitragem, mesmo quando os roubos são descarados. Mais um fator que inclina a tomada de decisão dos árbitros para o lado da santa aliança.

Alguns adeptos têm encarnado a narrativa de que as conquistas dos últimos anos não o foram por mérito próprio. Este sentimento tem levado muitos a desvalorizar os méritos de um grupo de trabalho que foi exemplar nas duas últimas épocas, quebrando uma química que foi a base de sustentação das muitas vitórias alcançadas.

Estás Feito ó Marques!
Então, a grande prova que o tal Marques tem de que os emails são verdadeiros foram uns print-screens que recebeu em resposta ao seu pedido de confirmação de veracidade de um mail que continha as famosas cartilhas?!

Só te digo uma coisa ó Marques... Estás feito!!!!! Print-screens, contas de emails encriptadas... Estás feito meu caro!!!

Ninguém faz o festival que fez e vai a tribunal provar que tudo aquilo é verdade agarrado a print-screens vindos de um email que ele nem sabe a quem pertence e quais as intenções. Isso é palha para os investigadores!! Basta um desses mails estar de alguma forma adulterado ou retirado do contexto e estás "feito num oito"!!

A PJ vai chegar lá!! A PJ vai saber quem e como te fizeram chegar essa informação e se ela foi ou não alterada ou até retirada de determinado contexto que nada tem a ver com aqueles filmes que andaste, e andas, a fazer. Vais ter de explicar por A+B porque não fizeste chegar imediatamente essa informação toda ao Ministério Público se achaste que era assim tão grave.

O Tráfico de Influências Lagarto
Domingos Cordeiro diz que foi afastado do Conselho de Disciplina da FPF por ter defendido que Slimani agrediu Samaris.
Domingos Cordeiro, antigo Vogal do Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol, Secção Não Profissional, enviou uma carta aberta ao Presidente do Conselho de Justiça da FPF, Manuel Serra, a demarcar-se da absolvição no "Caso Slimani".
O conteúdo da carta foi revelado pela TSF e Domingos Cordeiro fala na existência de "pressões políticas" na absolvição do ponta-de-lança do Sporting, no caso da suposta agressão a Samaris, médio do Benfica.
"Como é sabido, e resulta dos autos, dos sete membros que compõem o Conselho de Disciplina, um houve que votou vencido: EU! Voto vencido, aliás, que, em meu entender, viria a funcionar como causa próxima para a minha não inclusão na lista de 20/04/2016, encabeçada pelo Dr. Fernando Gomes e candidata aos órgãos sociais da FPF, 2016/2020", escreveu Domingos Cordeiro, precisamente no dia em que deixou de ser Vogal no Conselho de Disciplina

Domingos Cordeiro diz que decidiu enviar a carta ainda na "qualidade de dirigente desportivo", de modo a que se "alguém ligado ao movimento federativo se sentir atingido pelas palavras" possa, "querendo", recorrer à Justiça Desportiva.
"À luz das leis e regulamentos que regem a Justiça Desportiva na FPF, é por demais evidente que a solução proposta pelo Relator do Acórdão de 8/4/2016, é tudo menos uma decisão baseada na Lei e nos Regulamentos. É, antes uma deliberação de política desportiva, determinada por 'atendismos', criticou.
O advogado defende que havia matéria para castigar Slimani e que o caso poderia ter sido resolvido rapidamente, recorrendo a um processo sumário.

CV  do Mustafá
Era muito pobre (coisa que acontece a muitos de nós, infelizmente) e a certa altura matou alguém. Foi cumprir pena, fundou o núcleo da claque do Linhó. Saiu, continuou na claque e começou a subir na hierarquia, entretanto também ia assaltando umas casas com o PPC e desde há uns tempos é o grande lider da claque.
Acompanha presidente e treinador, invade treinos, tal e qual como se fazia na claque antes de ela ser legal.
Agora imagine-se que até mora num condominio de luxo na Aroeira e há 10 anos não tinha nada, isto só vivendo do Sporting/ Juventude Leonina/PPC.
Mas que raio, então uma claque legalizada tem um individuo destes à frente e o IPDJ não faz nada? Será que é por o presidente do IPDJ ser sportinguista e estar na comissão de honra de BDC? Será possivel a lagartagem ter gente desta como adepta? E o BDC não faz nada, o clube apoia uma claque destas, com assassinos a dirigirem a claque?

O Julgamento dos Mustafás
O julgamento, que decorre desde junho de 2016 em Lisboa, está suspenso desde 16 de fevereiro deste ano.
Os 18 arguidos, entre eles três polícias e o líder da claque leonina Juve Leo, Nuno Vieira Mendes, conhecido por 'Mustafá', respondem por associação criminosa, roubo, sequestro, posse de arma proibida, abuso de poder, violação de domicílio por funcionário e falsificação de documentos.

Tráfico droga? Foram 18 pessoas presas em Alvalade exactamente por venderem droga e armas de fogo. Comandadas pelo vosso VICE presidente! Sem esquecer os depósitos (2000€) na conta do árbitro, os assaltos a vivendas privadas e a espionagem a 196 árbitros com informação sobre a sua vida pessoal, financeira e profissional. Com certeza para uso e proveito exclusivamente próprio.

O Centro de Estágio
Era uma vez um Clube de futebol que queria um Centro de Estágio de borla. Com a ajuda da Câmara de Gaia, surgiu um espaço “para servir os clubes locais” mas que foi entregue ao FCP por…meio século! A renda é simpática, 500 euros por mês o equivalente a um T2 na zona.
Para “oferecer” o centro de estágio ao FCP a Câmara de Gaia teve de se endividar em 16M. É o resultado de uma investigção das Finanças já enviada para o MP.

Luis Filipe Menezes bem merece um “dragão de ouro”.
Enquanto presidente da Câmara de Gaia entregou ao FCP uma das mais preciosas prendas que o clube recebeu: O Centro de Treinos do Olival. Os custos couberam apenas ao Município, 16 Milhões de Euros de dinheiros públicos.

O FCP recebeu ainda à borla os direitos de superfície por 50 anos e apenas liquidam uma renda mensal pouco mais de 500 euros. Se um dia se fartarem vão à sua vida sem qualquer compensação para a edilidade.
A autarquis, essa fica com um elefante branco em cuja gestão ela própria reconhece não ser capaz de assegurar. “Seria desastrosa do ponto de vista dos dinheiros públicos” admite o executivo camarário num documento.

Estas são as extensas conclusões de um extenso relatório de uma auditoria das Inspecção de Finanças à Câmara de Gaia. O documento definitivo recebido no gabinete de Meneses, visa sobretudo a gestão da parceria entre o município e a FCP SAD.
As irregularidades e ilegalidades detectadas pelos inspectores dão pano para mangas e revelam uma calamitosa gestão pública motivo pelo qual o relatório enviado para o MP.

Tudo começou em 1999. Desde logo as fundações PortoGaia e Gaia Cidade D´ouro a qual não tinha persinalidade jurídica e cujo reconhecimento viria a ser chumbado mais tarde pelo próprio ministério.

Fernando Gomes outro Corrupto.
À época, o titular da pasta era Fernando Gomes  ex-presidente da Câmara do Porto e actual director financeiro da FCP SAD, um dos notáveis da família portista. É do seu ministério que saem as decisões feridas de ilegalidade de acordo com o relatório. Mas já não é do seu tempo o chumbo da fundação mais probelmática. Esse surge apenas em fins de 2002… já depois da fundação ter sido declarada… extinta.

A vida que fervilha À volta do FCP é uma das razões que Menezes dá para justificar o investimento. Estudos técnicos sobre o impacto do Centro de Estágio não houve. “De qualquer espécie”, sublinha-se. A IGF entende que sairia mais em conta a escolha de um clube de Gaia para a parceria.
Mas a autarquia escudou-se na experiência do FCP para justificar a escolha. Tudo pelo dragão. O Centro de Estágio consumiu mais de 16M de euros de dinheiros públcios entre terrenos e obras. A IGF descobriu, entre outras coisas, que o avaliador dos terrenos não tinha estatuto para o fazer, incorrendo em responsabilidade criminal.

E que não se justificava o interesse público ao abrigo do qual se efecturaram expropiações urgentes. Como se não bastasse, a garantia do empréstimo contraido pela PortoGaia foram os próprios terrenos cedidos ao clube. Outra ilegalidade. As próprias obras foram adjudicadas sem concurdo público. De resto, a autarquia, apesar de representada na Fundação, “prescindiu de representar decições importantes”.

Em todo o processo o interesse público foi subordinado ao interesse do FCP. Todos os riscos financeiros ficaram do lado público, especialmente o risco de expropiações, o risco de construção e o risco financeiro. Mas os lucros da exploração do Centro de estágio, se os houver, serão sempre para os cofres da Antas.
A Câmara não criou sequer uma estrutura de acompanhamento da parceria com o FCP SAD. Ou seja, a aparentemente nunca se preocupou em fiscalizar a aplicação de dinheiros públicos. Nem mesmo as contrapartidas escolares, sociais e desportivas para os cidadãos de Gaia estão garantidas. Os interesses da população “são defendidos na medida do possível” e se não colidirem com as proridades do FCP. Nem o protocolo assinado em 2003 assegura isso.
Para a IGF, “outros parceiros garantiriam uma maior fruição pela população escolar, pelos mais jovens e pelos estratos socialmente mais carenciados”. Este processo configura, pois, um inequívoco apoio a um clube desportivo”. E os “dragões” até podem amanhá deixar o espaço sem que a autarquia seja ressarcida.

No contraditório e críticas a Meneses no contraditório enciado à IGF, contesta a maior parte dos argumentos do relatório, alegando haver erros grosseiros, constradições e omissões. O município defende-se “tem pautado a sua conduta com observância e pleno respeito pelas regras e princípios orientadores da eficaz e eficiente gestão pública”.

O autarca considera que autiliação do Centro de Estágio pelo FCP é, por si só, deteminante para o desenvolvimento económico e social de uma área desertificada do conselho. E esgrime a seu favor o facto de uma auditoria da Inspecção geral da Administração do Território (IGAT) considerar “arrojado e inovador” o projecto com o FCP SAD não tendo detectado ilegalidades na criação das fundações e nos compromissos financeiros asumidos.

Da Série “Recordar é Viver” (01)
Coação em Paços de Ferreira
Triste, é saber que há Jogadores do Paços de Ferreira, BEM COMO SEUS FAMILIARES, AMEAÇADOS DURANTE OS ÚLTIMOS DIAS, por DELINQUENTES, FANÁTICOS OU ATÉ CRIMINOSOS, que fazem o trabalho sujo de um certo clube (FCP). Penso que alguém deveria denunciar esta situação.
(andrebaros, in A Bola 16-05-2013 - 15:49)

Caros colegas, as noticias das ameaças aos jogadores do Paços são todas verdade. Hoje em conversa com um familiar de um jogador, ele contou que o próprio avisou que não quer nenhum familiar no jogo. E que eles estão a contar com invasão de campo, em qualquer das circunstâncias... E como é lógico estão todos acagassados... Os SD têm estado lá todos os dias, e nem deixaram os próprios adeptos do clube comprar bilhetes. Ficaram com todos, por isso já podem imaginar o clima que estão a criar...

Sou de Paços de Ferreira, a única coisa que sei que é verdade, foi que os SD esmurraram alguns pacenses e lhes roubaram os bilhetes. Foi preciso chamar o corpo de intervenção para acalmar, mas nem assim esses animais pararam de insultar e roubar. Agora estão a vender esses bilhetes a mais de 100€.

Jogadores e população do Paços ameaçados!
Lembram-se daquele jogo em que Hugo Miguel marcou penalty 2 metros fora da área e o corruptos foram campeões? Vejam como o jogo andou a ser preparado!

O "braço-armado" portista (SD) sabe onde trabalham esposas e familiares, sabem os nomes e onde estudam os filhos.
Devido a esta situação, pelo menos dois jogadores normalmente titulares pediram a Paulo Fonseca dispensa do jogo. Foi recusado pelo treinador. Mau estar instalado no clube.

Jogadores do Paços amedrontados, desconcentrados só querem que o jogo passe depressa, que o porto seja campeão e que possam voltar à vida normal com a sua familia.



Adeptos Pacenses agredidos e roubados.Para conseguir o máximo dos bilhetes possíveis, elementos das claques portistas têm estado a semana todo em Paços. Agrediram adeptos adversários e roubaram os poucos que já tinham conseguido bilhete. Vários relatos inclusive de idosos mal tratados. Poucos adeptos Pacenses estarão presentes no jogo de Domingo. O medo e o terror dominam a cidade. Um clube pacato, sem grande força popular e mediática "come e cala".
Vários novos sócios do Paços nos últimos dias. Todos da zona do porto. Consta que todas estas inscrições foram suportadas pelo fcp e todos estes novos sócios são membros dos grupos de apoio organizado do clube. Algo que seria muito fácil de investigar por quem de direito… Objectivo "silenciar e controlar" as reduzidas áreas de sócios Pacenses.



*Josué, jogador preponderante na equipa do Paços e membro dos "Superdragões" desde há muitos anos, garantiu no seu circulo de "amigos" que estava tudo controlado. Têm sido constantes os encontros entre este atleta e alguns dos mais conhecidos membros da claque portista. Segundo palavras do mesmo "não há razão para preocupações, o porto será campeão ou… Campeão".
Josué tem também aconselhado colegas a não se armarem a heróis porque "aquela malta não brinca". Este talentoso médio tem servido como uma espécie de infiltrado daquele grupo de marginais no balneário Pacense. Domina os mais fracos, demove os indecisos e denuncia os íntegros. Estes últimos os principais alvos do terror psicológico em relação às familias.



Ameaças de que o jogo nunca chegará ao fim se algo estiver a correr mal e de que o Paços dentro de anos disputará as divisões amadoras…



Ameaças aos habitantes locais de uma enorme invasão portista à cidade! É melhor para todos, para a terra e os seus habitantes que nada "falhe".
Ideia generalizada e desejo de toda a cidade, cidadãos, adeptos do clube, jogadores e dirigentes que toda esta gente ganhe, fique feliz e se vá embora. De vez.




Em Paços de Ferreira e em muitos lugares da cidade do Porto sabe-se tudo isto e muito mais. Poucos aceitam dar a cara e falar com medo de represálias e os outros gabam-se, gozam e… Já festejam! Tudo às claras, tudo sob um silêncio comprometedor de milhares de jornalistas, centenas de rádios, tv's e jornais.

Humor lagarto
Fodasse, o nosso presidente pensa em tudo!
Se a época desportiva correr mal esta ano, já arranjou alternativa para estragar a festa aos Andrades ou aos lampiões desviando as atenções 
Parece que estou a ver na TV Benfica ou FCP sagram-se campeões nacionais, e a Sporting TV + a CMTV com batas brancas vestidas a entrar pelo hospital da Luz a dentro e a Ornelas nas últimas contrações.

A equipa do Benfica/FCP dirigem-se para os passos do conselho para ser recebidos pelo presidente da camara. Entretanto a Sporting TV e CMTV filmam o Azevedo com dois cacimbos de agua a fumegar para cima do médico e a dizer, esse puto tem um sonho de menino em ser o próximo presidente do SPORTING
Entretanto o Benfica ou FCP recebem da mão do presidente da camara a taça de campeões nacionais. O Azevedo processa o médico porque garantiram-lhe que era um leão e afinal acabou de sair uma hiena e diz que a culpa foi da ecografia que foi feita por um vídeo-arbitro em vez de ser feito no hospital. Processa também a Ornelas porque a miúda saiu sem cabelo e cada vez que olha para ela lembra-se que o SCP jogou com o Monaco em Agosto e que assim sem querer lembra-se do Leonardo Jardim.

Benfica ou FCP seguem para o seu estádio para apresentarem a taça aos seus adeptos. Aqui é igual, Azevedo agarra na miúda ainda com a mãe a convalescença no hospital e arranca directo a Alvalade onde a JL já organizou um festanço (vendendo bilhetes entrada no evento 20 euros) com concerto dos Supporting (outros que mamam a conta do clube) para mostrar a Claudia (nome da miúda) aos adeptos leoninos que o aguardam com ouro, incenso e mirra.
O nosso presidente é fodido !

A Chico Espertice vista por um… andrade
Gostaria de salientar que para o pior erro em contratações que o Porto fez neste últimos 30 anos, foi precisamente a do “Cebola” Rodrigues ao clube do regime. Porquê? Por variadíssimos factores que só ajudaram a enfraquecer o FC Porto e a fortalecer os tipos da 2ª circular. Entre os quais destaco os seguintes:


• Não afectou em nada os tipos.

• Foi uma contratação caríssima, tendo em conta o valor pago 7M por 70% do passe, mais os cerca de 8M pagos em vencimentos e prémios ao longo das 4 temporadas em que ele esteve cá, mais no banco que em campo. Total de 15M. 

• Rendimento desportivo quase nulo (Só convenceu na 1ª época e durante alguns meses)

• Permitiu ao clube do regime lançar definitivamente Di Maria e F. Coentrão, que foram essenciais para eles voltarem a vencer a Liga 

• Permitiu igualmente, que o clube do regime com a sua venda, encaixasse um valor acima dos 60M e assim mostrar ao mundo do futebol, que não era “exclusivo” do Porto “Fabricar” grandes jogadores para jogarem nos melhores clubes do mundo. Abrindo-se assim um novo mercado para os tipos, que pelos vistos tem tirado bons proveitos. E ainda para mais deu-lhes um folgo financeiro, que eles não tinham, para começar um novo ciclo de contratações; mas agora de grande qualidade.

• Por fim; foi com a saída a custo zero do “Cebola”, mais a necessidade de arranjar dinheiro para pagar a contratação de Falcao ao Porto, que se criaram as condições necessárias para o A.M deixar sair o excelente Sálvio para os tipos. Um jogador que tem sido essencial na excelente temporada que a sua equipa está a fazer e que foi um dos jogadores mais desejados em tempos, pela direcção do Porto.