ALGUNS TENTARAM DIVULGAR A VERDADE E FORAM SILENCIADOS.NÓS CHEGAMOS DISPOSTOS A DENUNCIAR, SEM MEDO,O NEPOTISMO,O TRÁFICO DE INFLUÊNCIAS, O MERCENARISMO E O TERRORISMO CORRUPTO QUE A COMUNICAÇÃO SOCIAL, EM ESPECIAL A DESPORTIVA, NÃO TEM A CORAGEM DE ASSUMIR.

DIVULGA www.pulpuscorruptus.blogspot.com EM PROL DA VERDADE E COMBATE À CORRUPÇÃO!

E-Mail: pulpuscorruptus69@gmail.com

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

(Mais...Mais e Mais...) A MÁFIA DA PALERMO PORTUGUESA (197)


José Fouto Galvan
Football Leaks saca más documentos sobre Bruma (actual jugador de la Real Sociedad) a la luz. En el día de hoy ha sido turno para su primer fichaje, cuando salió del Sporting de Lisboa en el año 2013 camino del Galatasaray turco.

Ya se supo en su día que el fichaje le costó al Galatasaray unos 10M de €, pero lo que hoy revela Football Leaks es la cantidad de dinero que se llevó la empresa intermediaria en el traspaso.
Buttonpath Limited fue la empresa que facilitó los contactos entre el Sporting de Lisboa y el Galatasarya por medio de José Fouto Galván y Kirdemir Simsek, agentes de futbolistas licendiados en la Federación española de fútbol.
Según este acuerdo, el Sporting de Lisboa pagó a esta empresa o intermediarios la cantidad de 800.000€ por facilitar el fichaje de Bruma.

 1- Se o Galatasaray estava interessado no jogador, não conseguia contactar o Sporting sem ninguém pelo meio? Supostamente, não era o Galatasaray quem tinha que dar o primeiro passo?

2- Assim, dentro desta lógica, e partindo mesmo do principio que uma empresa foi intermediária entre os dois clubes, o porquê de ser o Sporting a pagar 800.000€ de comissão a essa mesma empresa? Porque não pagou antes o Galatasaray?

3- Se Bruno de Carvalho se debate de facto por um futebol-negócio mais limpo e transparente, porque pagou esses 800.000€ a uma empresa que pertence a José Fouto Galvan?

4- Sabiam que José Fouto Galvan já foi condenado pela justiça espanhola por delitos fiscais?

5- Fora representantes ou empresários do Bruma, era mesmo necessário pagar 800.000€ a quem quer que fosse?

6- Há algum sócio capaz de confrontar Bruno de Carvalho relativamente a esta comissão paga a José Fouto Galvan?

El ex presidente del CP Mérida José Fouto, condenado a seis años de prisión y a pagar 4,45 millones por delitos fiscales

O que fazer? (Sarcasmo)
Pois eu concordo com a suspensão do campeonato proposta pelo Rui Santos.

E digo mais, deveria ser nomeada uma comissão de inquérito, liderada pelo Rui Santos, coadjuvado pelo Nuno Saraiva e pelo Francisco J. Marques. 

A justificação é simples. São pessoas que já conhecem o assunto em análise, já se debruçaram sobre ele e assim evita-se perder muito tempo (o campeonato tem de acabar a tempo de FCP e SCP participarem na Champions de 18/19).

Por outro lado são 3 pessoas sensatas e reconhecidamente isentas.
Esta comissão elaboraria um relatório condenando o Benfica e propondo as seguintes medidas:
- descida de divisão para os distritais.
- obrigação de permanecer pelo menos 5 anos em cada divisão.
- encerramento do centro de formação do Seixal por 150 anos.
- devolução das verbas das últimas 50 transferências de jogadores do Benfica para clubes estrangeiros.
- impedimento de contratação de novos jogadores durante 50 anos.

Para além disso seriam ainda retirados os últimos 36 campeonatos ganhos pelo Benfica, que seriam repartidos da seguinte forma: 15 para o SCP e 15 para o FCP. Os restantes 6 seriam sorteados por entre as equipas das divisões profissionais de futebol, futesal e futebol de praia.

Para assegurar justiça e imparcialidade no julgamento, o relatório seria analisado e votado por um júri composto pelo presidente da Federação, doutor Fernando Gomes, pelo presidente da liga, doutor Pedro Proença, pelos 2 presidentes de clube com mais votos dos seus associados, ou seja, doutor Bruno de Carvalho e doutor Jorge Nuno Pinto da Costa, e pelo ex-árbitro doutor Jorge Coroado (já habituado a bem ajuizar tudo o que diz respeito ao Benfica).

Considerando o êxtase que as conquistas provocariam nos adeptos, as câmaras municipais de Lisboa e Porto providenciariam um espaço condizente para as celebrações. 
Seriam assim reservadas a Rua da Betesga em Lisboa, e a Rua de Afonso Martins Alho  no Porto, locais propícios a planos de TV mostrando a massa humana em celebração.

As festas seriam organizadas respectivamente pelo doutor Mustafá e pelo doutor Macaco Madureira e decorreriam nos dias ímpares em Lisboa e nos dias pares, no Porto, evitando-ser sobreposição de festejos, que seriam transmitidos em directo na SIC, TVI, CMTV, RTP e Abola TV. 

Os canais de TV teriam uma verba adicional para acompanhar os festejos, paga pelo Benfica, e que serviria nomeadamente para o pagamento das viagens entre Lisboa e Porto das equipas de reportagem, em classe executiva na TAP.

Obviamente os adeptos dos impolutos clubes verde e branco e azul e branco teriam direito e um mês de férias para celebrarem condignamente e assistirem às recepções nas câmaras municipais.
Os adeptos do Benfica, com mais de 10 anos, seriam concentrados num campo para evitar perturbações aos ditos festejos.

Para guardar para a posteridade, e para evitar futuras más interpretações, estes acontecimentos seriam lavrados em livro, intitulado "Crónica da Grande Limpeza do Futebol Português - como o futebol em Portugal voltou a ser puro e verdadeiro 113 anos depois". 
O livro seria escrito pela pena do jornalista Manuel Queiroz e seria subsidiado pelo Benfica.
A versão ilustrada, para crianças, seria entregue gratuitamente a todas as crianças que frequentem jardins de infância, públicos ou privados, IPSS e amas.

Saudações desportivas (das verdadeiras),
Asdrúbal

Afinal os lagartos também gostavam de doping
Entrevista do Carlos Queirós.

P. Que rumores?
CQ. Que havia dois incidentes com o sistema antidoping português. Um deles, que tinha havido um problema na Covilhã, com um controlo; eu não sabia que era o único português que dizia palavrões [Carlos Queiroz insultou Luís Horta, presidente da Autoridade Antidopagem na altura]. Outro, que havia um jogador com doping e, quando o Nani se lesionou, acharam logo que era ele — e não era. O que eu devia ter feito, logo antes de partir para o Mundial, era ter testemunhado o que se passava; houve uma pessoa, o médico Gomes Pereira [do Sporting] que me pediu desculpa por não me poder ajudar porque o seu trabalho ficaria em risco se o fizesse. Mas ele e eu podíamos ter dito porque é que Luís Horta estava tão obcecado em fazer controlos antidoping sucessivos à seleção nacional, de forma exagerada; duas equipas a controlar na Covilhã, às seis e meia da manhã, coisa que a FIFA não deixava. Ele estava obstinado em apanhar um jogador que estava convocado.

P. Que era do Sporting?
CQ. Sim.

P. Quem?

CQ. Era o Liedson. Há factos registados e isto pode ser comprovado. O Liedson tinha feito um controlo casuístico e tinha vestígios de nandrolona. O médico Gomes Pereira pediu, depois, outro controlo voluntário antes da convocatória, e o Liedson foi ilibado. O Luís Horta aparece às seis da manhã na Covilhã, com os jogadores a dormirem e o jogo com Cabo Verde era nesse dia; eu quis intervir, pedir para deixar os jogadores dormirem mais um pouco, tal como a FIFA recomendava. Estive mal, mas naturalmente nunca quis insultar a mãe de Luís Horta.

O Filho do PIDE está Insolvente

Agora compreende-se o desespero do animal.

“O diretor de Comunicação do FC Porto, Francisco J. Marques, que ficou conhecido por divulgar os mails do Benfica, está insolvente. Em declarações ao CM, Francisco J. Marques confirmou a insolvência e disse que o juiz fixou um valor do salário para a sua sobrevivência, sendo o restante entregue para o pagamento da  dívida, cujo valor não revelou. 

O Tribunal do Comércio de Vila Nova de Gaia declarou a insolvência do diretor de Comunicação dos dragões a 18 de novembro de 2016 e, em janeiro de 2017, determinou a exoneração do passivo restante. Ou seja, durante cinco anos, Francisco J. Marques pagará as dívidas aos credores em função das suas possibilidades.

As dívidas serão pagas com uma parte do seu salário - o qual será penhorado até um certo montante - e outro tipo de bens. 
O pedido de insolvência de Francisco J. Marques foi feito pelo Banco Popular. Entre os credores estão outros bancos, o Fisco e a empresa Intrum Justitia. Em 2009, a Intrum Justitia pediu a execução do ex-jornalista por uma dívida de 120 mil euros. Essa execução foi declarada extinta na quarta-feira por falta de bens.

Xico traques "acusou o Benfica de monitorizar as sms de Fernando Gomes, quando o actual presidente da Federação era presidente da Liga de Clubes mas esqueceu-se de revelar um pormenor importante que ele conhece e muita gente sabe. Que Fernando Gomes, quando saiu da Liga, entregou o seu telemóvel e que foi no mandato seguinte que alguém da própria instituição se dedicou, num acto vergonhoso, a espalhar o conteúdo das mensagens. São inúmeras as pessoas que conhecem esse conteúdo, a começar no FCPorto que agora aparece a acusar o Benfica como se tratasse de um acto de espionagem para benefício próprio."-  by José Marinho

O SLB ESTA-se A CAGAR PARA AS MENSAGENS QUE CARLOS DEUS PEREIRA MANDOU AO GUERRA. O FCP DEVE ATACAR É QUEM DEU AS MENSAGENS DO GOMES DAS FATURAS AO CARLOS PEREIRA. É QUE DIZEM AÍ PELOS CORREDORES QUE CARLOS PEREIRA ENCONTROU ESSAS MENSAGENS NA SUA CAIXA DO CORREIO DEIXADAS POR DESCONHECIDOS. Devem ser os mesmos desconhecidos que deram os e-mails ao FCP. Ou seja quem forneceu os e-mails ao FCP foi o mesmo que deu as mensagens ao Carlos Pereira. Só com uma diferença. O FCP anda a fazer alarde disso nas tvs enquanto que o Gerra educadamente se remeteu ao silêncio preservando a imagem de Fernando faturas. Quem serão esses desconhecidos que sacavam e-mails e mensagens??? Quem sacou as mensagens? O SLB não sabe porque nunca ouviu falar nisso. Pedro Guerra não sabe porque lhas enviaram e Carlos Pereira não sabe porque lhas deixaram na caixa do correio. Eheheh. IRONIAS DO DESTINO. Procura-se vivo ou morto esse famoso desconhecido que tanto ofereceu ao FCP como ao Carlos Pereira

O NADA, O FOLCLORE E OS INFILTRADOS

Quem tenha visto o último programa do sr. Marques terá ficado definitivamente esclarecido.
É preciso dizer, antes de mais, que o indivíduo parece um homem doente, com o olhar cheio de rancor e ódio, que não disfarça um provinciano complexo de inferioridade. É preciso lembrar também que se trata de alguém com um histórico muito complicado de falhanços a nível pessoal e profissional, que não vêm ao caso, mas que talvez expliquem um pouco as características da personagem. Foi bem escolhido para o papel que desempenha: para andar no esgoto, o melhor é mesmo um rato.
Segundo ele, houve alguém (um Carlos Deus Pereira desta vida) que terá remetido um mail a Pedro Guerra, ilustrado com uma ou várias comunicações de Fernando Gomes (presidente da FPF) para documentar o seu portismo – que, aliás, toda a gente conhece. Daí, infere o sr. Marques, aqui d’el Rei que o Benfica “espia” as mensagens de Fernando Gomes (homem que os encarnados sempre apoiaram, e que hoje toda a gente reconhece fazer um excelente trabalho à frente da FPF, independentemente das suas paixões clubistas).
O sr. Marques faz a festa, e os seus interlocutores de mesa deitam de imediato os foguetes: “é o maior escândalo do futebol português”, “é a ponta de um iceberg”, “o Benfica tem de descer de divisão”, etc. Passados um ou dois minutos, já “O Jogo”, na sua edição online, apanhava as canas titulando “Benfica monitoriza sms de Fernando Gomes!”. O “JN” nem li, pois não era preciso.
Além dos jornais que estão por conta de quem idealizou esta campanha negra (desde logo os da Controliveste), há outros onde existem pontas-de-lança encarregados de, a todo o custo, a manter nas primeiras páginas (uns na Cofina, e outros na Impresa, como se viu no Sábado com a inqualificável manipulação jornalística de Pedro Candeias). Depois, há a pressão sobre aqueles que não o fazem, catalogados como imprensa "de Lisboa”, imprensa submissa, Coreia do Norte e assim por diante. Pressão essa, que, diga-se, também já vai dando os seus frutos, até porque a barulheira interessa a todos, num contexto de acelerada quebra de vendas.
É preciso lembrar também que esta campanha vem na sequência da reunião do Ritz, entre direcções de comunicação de FC Porto e Sporting, o que explica o efeito de amplificação que a mesma tem tido, mesmo que a partir do quase nada. Reunião que era para ter sido secreta, recorde-se.

Mas para os objectivos últimos serem alcançados, há ainda um pormenor importante que necessitam explorar. É que o Benfica é muito grande, e tem força suficiente para resistir a todos estes ataques mórbidos. Ou seja, a única forma de esta campanha ferir mesmo o seu destinatário é tentando desagregá-lo por dentro. É isso que já estão a tentar também fazer.
Entra-se em blogues, sites e fóruns de opinião benfiquistas, e lá se encontram cada vez mais intrometidos, ou o mesmo intrometido com várias identidades, a dizer que “está envergonhado com isto”, que era preciso “demitir” este e aquele, que isto “não é o Benfica que conheceram”, e coisas parecidas.

Ora pode haver benfiquistas que não gostem do estilo do Pedro Guerra, que achem o Paulo Gonçalves antipático, que julguem que o bigode fica mal a Vieira (tudo isso existe num tão grande e democrático clube). Mas não há, seguramente, um só benfiquista, dos verdadeiros, que, acompanhando este caso se deixe impressionar por ele, tendo em conta o pouco ou quase nada que tem sido revelado. Portanto, esses comentários são obviamente de infiltrados, numa tentativa de desagregar o clube e os seus adeptos, e fazem parte desta orquestração, idealizada a norte, trabalhada no Ritz, e que vai seguindo por jornais, televisões e internet. 
Eles sabem que só desunindo o Benfica isto será verdadeiramente eficaz. É esse o último passo que pretendem dar. Só que esse já não depende deles. Depende de nós.
Está mais do que óbvio que os mails pirateados ao Benfica (que me começa a parecer, em alguns casos, estarem totalmente truncados e retirados do contexto), mesmo partindo do pressuposto de serem verdadeiros, não demonstram nada mais do que os contactos normais que se fazem nos bastidores de qualquer grande organização, clube ou empresa, visando defender os seus interesses. Se não houvesse assuntos privados, tudo seria discutido na televisão. Era o fim do mundo... Imagine-se os mails privados das grandes empresas, dos partidos políticos, do governo, da presidência da república virem a público. Eu, por mim, gostava de ver os do Sporting, pois do FC Porto já ouvi escutas telefónicas suficientes para perceber como se trabalha por lá.
É também claro que não vai aparecer nada de verdadeiramente grave, talvez pela simples razão de…não existir. Se houvesse, já teria sido mostrado. Por isso, e no esforço de não deixarem morrer o assunto, vão surgir semanalmente, a conta-gotas, mais revelações pífias  - como estas -, amplificadas depois pela comunicação social, para tudo parecer aquilo que não é.
Vão tendo lixo suficiente para esconder os seus próprios problemas, e para tentar retirar méritos desportivos ao Benfica. Isso irão tentar fazer sempre, como aliás sempre tentaram no passado (Estoril, Túnel, Lucílio,Vouchers, entre outras mistificações, muitas das quais já nem me lembro).
Duas barreiras vão impedi-los de o conseguir: a Justiça (que terá de se fundamentar na verdade, e não em fogos de artifício), e os benfiquistas (que não se deixarão impressionar pelo folclore).
Podem pois continuar. Nós cá estamos, unidos, para o ataque ao Penta!
(Em “Vedeta da Bola”)

Por falar em descida de nota
O Sporting reclamou para a Comissão de Análise e os árbitros Pedro Henriques e Pedro Proença foram castigados. O primeiro recebeu na última segunda-feira uma notificação da Comissão de Arbitragem da Liga a alterar-lhe a nota do jogo Benfica-Sporting de 3,6 pontos (Bom) para 2,1 (Muito Mau), mas ainda não decidiu se vai recorrer da penalização. Já Pedro Proença, que foi penalizado pelo jogo FC Porto-Sporting (a nota passou de 3,7 para 2,7), reclamou e promete, se for necessário, levar o caso à FIFA.
 
Pedro Henriques terá errado ao não assinalar dois penáltis, um favorável a cada equipa (sobre Romagnoli e sobre Adu), e ao não mostrar cartão amarelo a Di María e a Rui Costa. "Uma das coisas que me preocupam não é a Comissão de Análise analisar uma grande penalidade ou um cartão vermelho, mas sim lances de pequena importância. Penalizarem-me por não mostrar um cartão amarelo num lance do qual nem me lembrava. E é uma imprudência dizer que o jogador devia ter sido advertido. Quantas vezes o árbitro não substitui o cartão amarelo por um apito mais forte ou então por uma conversa para tranquilizar os jogadores?", referiu Pedro Henriques ao site Maisfutebol.

O juiz lisboeta avisa que, daqui por diante, existirá uma preocupação extrema dos árbitros em não serem penalizados e isso será mau para o futebol: "Um árbitro, para se defender, vai passar a aplicar escrupulosamente as 17 leis. Acabou-se o bom senso e a gestão, e, ao fim de 15 minutos, não tenho jogadores em campo. A 18ª lei, a do bom senso, não existe". "Não sei a atitude que vou tomar. Tenho direito a reclamar, mas a nota para mim tem pouca importância. Se acharem que tenho cabimento neste futebol, óptimo. Se acharem que não, da mesma maneira que entrei, saio", rematou. 
Já Pedro Poença deveria, segundo a comissão, ter expulsado Quaresma com vermelho directo e exibido o amarelo a Pedro Emanuel. O árbitro contestou a decisão e diz que, se não lhe derem razão, terá "muita coisa a dizer". "Irei levar este assunto até às últimas consequências, pois isto vai contra todas as regras da UEFA e da FIFA", rematou. O presidente da Comissão de Arbitragem da Liga recusou-se a comentar estes casos. 

Mais descidas de nota
A Comissão de Arbitragem (CA) da Liga de Clubes reapreciou as prestações do árbitro João Capela e do observador Humberto Viegas no âmbito do Olhanense-FC Porto, da jornada 10 da Liga, e decidiu baixar as notas dos dois homens. É o jornal O Jogo quem o noticia notando que é o resultado da reclamação apresentada pelos portistas. 
A pontuação inicial de João Capela que lhe foi atribuída pelo observador foi de 3.2, o que é considerado satisfatório na escala de avaliação da CA. Depois da reapreciação da prestação do juiz, com base nas imagens gravadas do jogo que a SAD portista encaminhou com a reclamação escrita, a nota passou para 2.3, conforme salienta O Jogo, apontando que está no grau do "muito insatisfatória" e que é "uma das piores notas atribuídas até à data a um árbitro do principal escalão".
O FC Porto alega, entre outras queixas, que o árbitro não assinalou um penalti sobre Hulk. O lance aconteceu aos 74 minutos do jogo entre o avançado brasileiro e Mexer, não tendo João Capela assinalado qualquer falta.

Fernando Graça, um dirigente corrupto
Depois da vergonha que foi os árbitros a darem o título ao FCP, ficámos a saber algumas coisas interessantes.
Fernando Graça que é presidente da CERH (a UEFA do Hóquei), vice presidente da FIRS (a FIFA do hóquei) e vide presidente da Federação Portuguesa de Patinagem, foi visto na final four com o símbolo do FCPorto na capa do seu telemóvel. Não basta ter árbitros do FCP a prejudicar o Benfica, como temos dirigentes do Hóquei do FCP.

Apareceu na conferência de imprensa de apresentação da Final Four com o telemóvel com o emblema do FCP. Foi ver o jogo da Supertaça na Mealhada com os seus netos para a tribuna VIP com os seus netos que iam vestido à FCPorto.

Adivinhem quem vai de férias para a China? Pois bem, o árbitro Paulo Rainha que tirou de forma premeditada o título ao Benfica. Irá arbitrar jogos no campeonato do mundo. Porque é o CERH que escolhe os árbitros e por isso foi esse senhor que o escolheu. O árbitro é amador e vai passar umas férias à China com tudo pago, com umas férias activas.

Oferta que foi feita ANTES do jogo do roubo. Deram-lhe um prémio na semana antes do roubo para o motivarem.

O outro árbitro que vai com ele é o Joaquim Pinto. Parece fácil.

Julio Teixeira, um árbitro que é relegado para a categoria B e depois é repescado para arbitrar um jogo tão importante. Não faz sentido. Agora sabemos a razão porquê.

Agostinho Peixoto Silva, presidente do Conselho de Arbitragem, a aplaudir os golos do Sporting. Uma imagem do que é o hóquei patins em Portugal .
A dizer numa entrevista ao Jogo que havia clubes que tinham árbitros favoritos e vetavam outros árbitros.

Percebemos porquê. O melhor árbitro português Miguel Guilherme, arbitrou o Sporting apenas uma vez contra um equipa que desceu de divisão porque não gosta dele.

Mas gosta do Paulo Rainha, que arbitrou o Sporting 9 vezes, o árbitro que foi o pior internacional o ano passado.

sexta-feira, 21 de julho de 2017

(Siga a Rusga) A MÁFIA DA PALERMO PORTUGUESA (196)


José Fouto Galvan 
Porque é que o José Fouto Galván apareceu a receber comissões da venda de 5 jogadores se nunca foi empresário de nenhum deles?
Slimani, João Mário, Rúben Semedo, Cédric e Bruma.
É verdade que ele é o "homem da mala" do presidente?
É verdade que o casamento foi pago por empresas que são do José Fouto Galván? 
É verdade que os custos da casa de Bruno de Carvalho são pagos com dinheiro vindos das mesmas contas? 
É verdade que ele financiou a segunda campanha de Bruno de Carvalho? 
É verdade que a ex-mulher de Bruno de Carvalho recebe uma mesada de vários milhares de euros a partir de uma dessas contas? 


Investigue-se

Estatísticas com vergonha
Nas últimas 8 épocas foram assinaladas 197 grandes penalidades favoráveis aos 3 grandes, distribuídos do seguinte modo:

72 Penaltis favoráveis ao F. C. Porto, que conquistou 590 pontos e marcou 543 golos. 
64 Penaltis favoráveis ao Sporting, que conquistou 490 pontos e marcou 425 golos. 
61 Penaltis favoráveis ao Benfica, que conquistou 604 pontos e marcou 576 golos. 

Anormalidade estatística! O Benfica tendo sido neste período, a equipa que mais pontos conquistou (604 pontos no total) e mais golos marcou (576 golos), foi a equipa que usufruiu de menos penaltis assinalados a seu favor! 

Será possível um ataque que marcou 425 golos usufruir de mais penaltis assinalados a seu favor, que um ataque que foi capaz de marcar mais 151 golos, (ou seja 576 golos no total)? Provável não, mas isso aconteceu na liga Portuguesa, meus amigos! 

Alguém acreditaria que com condições arbitrais equivalentes, um ataque seria capaz de marcar mais 151 golos que o do adversário sem ter sofrido mais faltas na área que esse adversário? Constatar tais números, só mesmo na Liga Portuguesa! 

É que em média, é necessário fazer cerca de 4 remates enquadrados com a baliza para se marcar 1 golo. É que se esses remates forem de fora da área, então seriam necessários ainda muitos mais remates (ataques). 
Agora imaginem as vezes que são necessários entrar na área adversária para marcar mais 151 golos sem sofrer nenhum falta na área. 

Entre 2009/10 e 2012/13, o Benfica beneficiando de 34 penaltis favoráveis fez 285 pontos, conquistou 1 desses 4 títulos de campeão. Nos 4 anos seguintes (entre 2013/14 e 2016/17), o Benfica está agora a lutar pelo seu histórico tetra,conseguiu conquistar muitos mais pontos, mas inexplicavelmente usufruiu de menos penaltis assinalados a seu favor (usufruiu de apenas 27 penaltis favoráveis num período em que conquistou 319 pontos). 
Que anormalidade estatística! Mais golos marcados, mais pontos mas menos penaltis assinalados a seu favor!

Porque razão o Benfica nos mais recentes 128 jogos (entre 2013/14 e 2016/17), usufruiu de menos penaltis assinalados a seu favor (desceu 34 para 27), comparativamente com os anteriores 120 jogos (entre 2009/10 e 2012/13)? 

Mais incrédulos ficamos, quando verificamos que em relação aos penaltis assinalados ainda com o jogo empatado, no período anterior, o Benfica tinha usufruido de 16 penaltis favoráveis e agora num período em que tenta conquistar o seu histórico tetracampeonato, apenas foram assinalados 7 penaltis a seu favor com o jogo empatado! 
Este dado é muito relevador da adversidade arbitral, com que o Benfica está a jogar nos últimos 4 campeonatos. 
É que para agravar, estamos a falar de um clube que não joga nenhum minuto em superioridade numérica, desde a 25ª jornada da época 2014/15 (época do bicampeonato), quando o seu rival da actual época 2016/17 já usufruiu de 298 minutos em superioridade numérica e o rival directo da época anterior, usufruiu de 215 minutos em superioridade numérica nessa época 2015/16 do tri-campeonato.

O Porto F@dido pela UEFA
«O acordo de liquidação abrange as temporadas desportivas de 2017/18, 2018/19, 2019/20 e 2020/21.

FC O Porto compromete-se a alcançar o cumprimento do equilíbrio financeiro até ao período de monitorização de 2020/21 (ou seja, os relatórios financeiros que terminam em 2018, 2019 e 2020).

O FC Porto compromete-se a reportar um défice máximo de equilíbrio financeiro de 30 milhões de euros no final do ano financeiro de 2017, de 20 milhões de euros no final do ano financeiro de 2018 e de 10 milhões de euros no final do ano financeiro de 2019.

O FC Porto aceita que, para o ano financeiro que termina em 2018 e para o ano financeiro que termina em 2019, o rácio entre as despesas com funcionários e as receitas, bem como os custos financeiros, estão restringidos e que o resultado líquido de actividades de transferências está definido.

O FC Porto aceita pagar um montante total até 2,2 milhões de euros, os quais serão retidos de quaisquer receitas obtidas pela participação nas competições da UEFA a partir da temporada de 2016/17. Desse montante, 0,7 milhões de euros (700 mil euros) terão de ser pagos na íntegra, mesmo que se verifique a saída prematura deste regime de liquidação. O pagamento dos restantes 1,5 milhões de euros é condicional e poderá ser retido em determinadas circunstâncias, dependendo do cumprimento ou não por parte do clube das medidas operacionais e financeiras impostas no acordo de liquidação.

O FC Porto aceita que será sujeito a uma limitação do número de jogadores que poderá incluir na sua lista A para participação nas competições da UEFA. Especificamente, na temporada 2017/18 o Porto poderá inscrever apenas um máximo de 22 jogadores na sua lista A, em vez dos habituais 25 previstos nos regulamentos das competições, e um máximo de 23 jogadores na temporada 2018/19. Esta restrição será levantada na temporada 2019/20 e/ou 2020/21 se o clube cumprir as medidas operacionais e financeiras impostas no acordo de liquidação com o CFCB da UEFA.

O FC Porto aceita, durante o período de duração do acordo de liquidação, uma limitação calculada quanto ao número de inscrições de novos jogadores na sua lista A para o propósito de participação nas competições da UEFA. Este cálculo baseia-se na posição do clube na tabela de gastos líquidos de transferências em cada período de inscrição de jogadores cobertos pelo acordo. Esta restrição será levantada nas temporadas 2019/20 e/ou 2020/21 se o clube cumprir as medidas operacionais e financeiras impostas no acordo de liquidação com o CFCB da UEFA.»

A CS Portuguesa

SIC/IMPRESA:
Com a entrada de Pedro Guerra para o "Prolongamento", a concorrência ganhou audiências nas noites de segunda-feira.Interessa à SIC descredibilizar Pedro Guerra, e afastá-lo de todos os palcos. Além do proverbial anti-benfiquismo do canal de Carnaxide - fosse eu Rui Vitória, ter-me-ia levantado da cadeira e ido embora com as inqualificáveis perguntas que Paulo Garcia lhe fez na última entrevista à estação -, que já vem dos tempos em que Manuel Vilarinho ganhou as eleições contra o candidato da SIC (para quem não se lembra, chamava-se João Vale e Azevedo). De Paulos Garcias, Rui Santos e afins não se espera outra coisa que não um combate constante ao Benfica. Até as meninas participam...

CMTV/COFINASensacionalismo e sangue são os condimentos que movem este canal e o grupo Cofina. É engraçado quando toca aos outros, mas é quando nos toca que percebemos o mau gosto e os perigos do estilo. Um tal João Ferreira (?) é absolutamente insuportável: o retrato perfeito do que o jornalismo não deveria ser. Mas há mais.
Além desse princípio (que é a identidade do canal e do próprio grupo Cofina), pendem umas contas por ajustar com Pedro Guerra - que saiu de lá em litígio.

DN, JN e JOGO/CONTROLINVESTESendo Manuel Tavares o mentor último desta estratégia de ataque ao Benfica, sendo José Manuel Ribeiro a voz do dono, sendo Francisco Marques antigo jornalista do JN e "filho adoptivo" de Tavares, sendo Nuno Saraiva ex sub-director do DN, não se esperaria outra coisa que não a exploração incessante deste assunto por todos esses órgãos de comunicação social. As ligações dos angolanos (detentores do grupo) ao Sporting ficam para investigação do caro leitor. 

É este o panorama mediático que temos. Poderíamos juntar a RTP, e a sua secção desportiva portista. Mas esses andam sempre muito ocupados a viajar em excursão para todos os pontos do mundo onde exista uma competição qualquer, gastando o dinheiro dos portugueses em passeatas desnecessárias. Enfim, isso seria outro tema.

A comunicação social vendida

Nos tempos que correm crimes como o obtenção ilegal de correspondência privada é algo corriqueiro. Através deste método ficámos por exemplo a saber da famosa cartilha. Alguns comentadores do Benfica receberem informação pertinente para ser levada a discussão nos programas desportivos foi considerado quase como um crime. Do verdadeiro crime da obtenção desses emails ninguém ficou chocado.

Na semana passada apareceu a gravação de uma entrevista de Bruno Carvalho realizada com 15(!!!) jornalistas de vários orgãos de comunicação social. E de entre um punhado de coisas bastante graves ditas na entrevista (umas que apenas dizem respeito aos sportinguistas, mas outras que dizem respeito ao futebol português) apenas se falou da falta de vergonha do individuo que tornou pública a entrevista.

Rato, ratazana, bufo e por aí fora, foram alguns mimos que colegas de profissão brindaram o único rapaz que realmente foi jornalista naquele encontro. Mas o que fez ele para ser tratado desta forma pelos seus colegas? Cometeu um crime? Não. Não foi ético? A isto eu deixo a pergunta. Quem é que tem mais ética? Um jornalista entre 15 que decide exercer a sua profissão e informar as pessoas ou os 14 que foram lá ser tratados abaixo de cão, que calaram e ainda escreveram o que lhes mandaram?

Já agora, que nome é que se pode dar a um encontro entre jornalistas, um presidente de um clube e o seu director de comunicação em que apenas o que esse presidente quer é que é escrito? Será que podemos chamar isto de uma cartilha para jornalistas? Do Benfica são 5 ou 6 comentadores. Ali estavam 14 "je ne suis pas Charlie", e tendo em conta as reacções posteriores de mais de uma dezena de outros jornalistas contra o único "Charlie" daquele dia, estamos na presença de uma cartilha bem abrangente.

O mais recente caso são os emails trocados entre Pedro Guerra e um tal de Adão Mendes que quase ninguém sabe quem é. Nesses emails parece claro o contexto da conversa. Pedro Guerra parece aconselhar-se com este senhor sobre quais os árbitros que achava que deviam ser mencionados positiva ou negativamente no(s) programa(s) onde estava. Adão Mendes nas respostas disse coisas como:

"Sobre a arbitragem não temos de ser maezinhas (...sem corte...) mas usar a inteligência a nosso favor, criticando sempre, mas propondo soluções e não desabafos."

"Dizem os grandes sábios dos paineis que algo está a mudar. O porto já não manda mas... ainda não compreendem onde está o poder. (...sem corte...) O poder está no trabalho dia a dia, na busca da verdade e da seriedade e isso faz a diferença."

"Hoje quem nos prejudicar sabe que é punido."

"Temos hoje árbitros, que não sendo internacionais têm demonstrado melhores prestações que os internacionais. Entre os quais: (...sem vir directamente para aqui...) Jorge Ferreira, Nuno Almeida, ..."

Até Pedro Guerra nessa conversa em privado diz algo como:

"Se a minha postura e opiniões puderem contribuir, nem que seja de forma pifia, para um clima de paz e harmonia, acho que é este o caminho a seguir."

Parece mentira mas é verdade. Neste emails fala-se maioritariamente no Benfica abordar os árbitros de forma mais contida, elogiando-os e defendendo-os mais em vez de os criticar (quando vínhamos de 2 campeonatos roubados). Isto tudo foi transformado pela comunicação social em algo comparável com o apito dourado. Dizer que alguns árbitros têm tido melhores prestações, enumerando-os, torna-os benfiquistas. Dizer que alguém hoje é punido (ao contrário do que acontecia antigamente) quando prejudica o Benfica é crime. Estamos numa altura em que quando o Benfica não é prejudicado está a ser beneficiado.

Se fosse o presidente do Benfica a vangloriar-se que tinha corrido com o presidente da arbitragem e que tinha colocado alguém a presidir a Liga até se compreendia a suspeição de um apito dourado, mas assim... Eu sei que isto foi o que o presidente do Sporting afirmou naquela entrevista. Mas não se esqueçam que do conteúdo daquela entrevista não é para se falar. Nesse caso só se pode falar do senhor do gravador.

Para ainda dar mais azo a especulações lá apareceu novamente Marco Ferreira em directo num programa. Até parecia preparada a coisa... Este senhor já é um clássico. No ano passado veio dizer, indignado, que Vitor Pereira lhe tinha ligado antes de um jogo do Benfica a desejar-lhe que fizesse uma boa arbitragem para que pudesse ser opção para um clássico. No caso dos vouchers, quando se discutia se o seu valor monetário ultrapassava os limites da lei, lá apareceu ele novamente em directo num programa dizendo que até tinha recebido 2 num jogo porque este tinha sido adiado.

Esta semana lá estava ele com a lição bem estudada outra vez. Entrou logo de rompante a fazer um paralelismo entre emails e ele ter descido de categoria, dando enfâse ao Benfica ter perdido 2 jogos com ele a apitar nessa época. E foi aí que se percebeu a importância que tem um Pedro Guerra. Ia preparado e apenas lhe perguntou que enumerasse os jogos em que teve notas negativas e se algum tinha sido um jogo do Benfica. Bastou isso para ele perder toda a pujança com que tinha entrado no programa.

A quem critica Pedro Guerra eu questiono como é que não percebem a sua importâncias ou de Rui Gomes da Silva nos tempos que correm. Basta ver um dia o programa Play-Off da Sic Noticias para perceber. TODOS, MAS MESMOS TODOS os programas o nome do Sport Lisboa e Benfica sai manchado dali. TODAS as semanas são levantadas suspeições e ditas coisas como verdades absolutas sem qualquer defesa. Basta João Alves não concordar com um lance polémico e é engolido pelos 3, é enxovalhado, maltratado e por vezes mesmo insultado.

Voltando a Marco Ferreira achei curiosa a insistência dele em dizer que se aparecessem emails com criticas a arbitragens suas, ia achar que realmente existia uma ligação. Eu não sou bruxo mas diria que os próximos emails obtidos ilegalmente e que vão ser apresentados num canal pago por contribuintes, vão conter criticas a Marco Ferreira. Se assim for Marco Ferreira é que se calhar deve começar a ser um caso de policia.

P.S. De um antigo comunicado dos super dragões sobre Jorge Ferreira:


Afinal, para além de Pedro Guerra, alguém conhecia Adão Mendes.

Os emails que vieram a público mostram duas coisas:
1) Pedro Guerra, à data um mero comentador televisivo, a tentar preparar-se para os seus programas, recolhendo informação sobre árbitros, procurando saber quais deveria defender em público;

2) Um antigo árbitro, do qual ninguém se lembra, a falar-lhe sobre uma mudança estrutural verificada no futebol português, a partir da qual o FC Porto deixara de ser protegido como nos tempos do Apito Dourado, gabando Luís Filipe Vieira pelo feito.

Nem um, nem outro, têm, tinham ou alguma vez tiveram, qualquer poder no futebol português. Daí tratar-se de uma conversa completamente inócua, entre dois simples adeptos. O resto é fumaça, cuspida pelo director de comunicação do FC Porto, e explorada ao máximo pelo sistema mediático sensacionalista que hoje temos de suportar.

Assim sendo, não se percebem as reacções no seio do Benfica contra Pedro Guerra. O agora diretor de conteúdos da BTV tem o seu estilo, que não é nada meigo para os adversários. Mas trata-se de um enorme benfiquista, incapaz de fazer ou dizer algo que prejudicasse o clube.
A hora é de união, e o que importava descobrir era como o espalhafatoso director de comunicação do FC Porto acede a correio que supostamente seria privado. Já não é a primeira vez que o faz, e esse é o único crime que este caso inequivocamente revela

Receber produto de um roubo é crime, mas também é crime divulgar correspondência privada sem autorização.
Neste caso parece estarmos perante 3 crimes: roubo correspondência privada, receptação de produto de roubo e divulgação sem autorização de correspondência privada.

No final das investigações, haverá um QUARTO crime: o crime de difamação, pois os mails não revelam qualquer caso de corrupção e muito menos um esquema de corrupção do Benfica, com acusou um certo labrego num canal de televisão de um clube dirigido por dois corruptos comprovados: Pinto da Costa e Reinado Teles.

Marco Ferreira, um árbitro corrupto, adepto dos corruptos
Depois de ter descido de divisão, Marco Ferreira não tem feito outra coisa do que aproveitar a desconfiança na arbitragem para atacar o Benfica e os seus ex-colegas.

Um dos principais motivos que ditaram a descida de MF foi um processo disciplinar, que remonta ao jogo entre o Setúbal e o FCP na 31ª jornada, disputado a 3 de Maio de 2015.
Nessa partida, Marco Ferreira deixou um pontapé de penalty por assinalar contra o FCP aos 45 minutos por mão na bola de Alex Sandro. Segundo os Jornais noticiavam na altura, Marco Ferreira terá ouvido no seu balneário uma conversa telefónica na sala ao lado, onde o seu observador o antigo árbitro José Rufino, estaria a tirra dúvidas sobre o referido lance. O madeirense, tendo percebido que a sua nota poderia ser prejudicada por um erro grave, terá perdido a cabeça e entrado na sala para confrontar o observador. José Rufino não só assinalou o erro no seu relatório, como ainda explicou a conduta de Marco Ferreira que, segundo ele, o terá tentado condicionar, depois de ter forçado a porta. A sua nota acabou por ser de 2.5, mesmo muito negativa.

O processo discipliar, instaurado pela Secção de Classificações do Conselho de Arbitragem da FPF, acabou misteriosamente favorável ao árbitro e penalizadora para o observador. Mas nem isso evitou a descida do árbitro pois o mesmo já tinha batido o record da pior nota de sempre de um árbitro internacional. Um 2.0 num célebre Braga-Benfica. As outras notas o árbitro prefere manter o silêncio para poder atacar o SLB.